Filmes

ALMA CORSÁRIA (16 ANOS) – NOVO!

Através da amizade de dois poetas, que lançam um livro a quatro mãos, o filme faz um inventário de três décadas da história brasileira.

A HORA DA ESTRELA (14 ANOS)

Adaptação do livro de Clarice Lispector, o filme mostra a pacata vida da jovem Macabéa (Marcélia Cartaxo), uma imigrante nordestina às voltas com as artimanhas da cidade grande. A ingenuidade de Macabéa vira um prato cheio para a cartomante Madame Carlota (Fernanda Montenegro), que começa a interferir em sua vida, criando intrigas e ilusões que a desorientam ainda mais. Dir. Suzana Amaral / BRA, 1985 / 96 min / Ficção / 14 anos.

AS SETE  VAMPIRAS  (16 anos)- NOVO!

Na década de 50, o cientista Fred importa da África uma planta carnívora rara. Como o vegetal foi pouquíssimo estudado, ele prepara um antídoto contra seus possíveis efeitos. Mas não tem tempo de usá-lo. Quando sua esposa Sílvia, preocupada com o novo objeto de estudo do marido, deixa o trabalho e vai vê-lo em sua estufa de plantas é tarde demais. Silvia também é atacada. Uma série de crimes inexplicáveis em que as vítimas ficam totalmente sem sangue começa a acontecer.

A NEGAÇÃO DO BRASIL + CAROLINA (12 ANOS)

Em A Negação do Brasil (Dir. Joel Zito Araújo / BRA, 2000 / 91 min. / Documentário / 12 anos) os tabus, preconceitos e estereótipos raciais são discutidos a partir da história de luta de atores negros pelo reconhecimento de sua importância na história da telenovela. O curta Carolina (Dir. Jeferson De / BRA, 2003 / 15 min. / Documentário / Livre) traz Zezé Mota no papel de Carolina de Jesus, mulher negra e ex-favelada, que denunciou a fome, o preconceito e a miséria em seu diário, mais tarde publicado com grande sucesso editorial.

AMARELO MANGA + A CANGA (18 ANOS)

Amarelo Manga (Dir. Cláudio Assis / BRA, 2003 / 100 min / Ficção / 18 anos) é um retrato visceral e naturalista do submundo da cidade do Recife, com personagens que parecem ter saído de um livro de Nelson Rodrigues. Em A Canga (Dir. Marcus Vilar / BRA, 2000 / 12 min / Ficção / 16 anos), um homem obriga a família a colocar nos ombros uma canga de boi, fazendo-os trabalhar como animais.

AMOR & CIA + RUA DO AMENDOIM (12 ANOS)

Amor & Cia (Dir. Helvécio Ratton / BRA, 1998 / 100 min / Ficção / 12 anos) é uma comédia que conta a história de um homem traído pelas pessoas em quem mais confiava. Já o divertido curta Rua do Amendoim (Dir. João Vargas Penna / MG, 1998 / 11 min / Ficção / 12 anos) fala sobre a rua de Belo Horizonte que ficou famosa por um bizarro fenômeno ótico; ela dá a impressão de ser uma subida, quando, na verdade, trata-se de uma descida. 

AMORES + AMAR (14 ANOS)

Histórias cheias de desejos, expectativas, preconceitos e tabus se entrelaçam em Amores (Dir. Domingos de Oliveira / BRA, 1998 / 95 min / Ficção / 12 anos) uma crônica dos nos anos 90, que mostra mudanças de comportamento que marcaram essa época. O curta Amar (Dir. Carlos Gregório / BRA, 1997 / 23 min / Ficção / 12 anos) faz comédia com um tema triste: o amor não correspondido. Nessa história, os personagens se envolvem em uma verdadeira quadrilha de amores e desamores.

ANIMAÇÕES INFANTO-JUVENIS (LIVRE)

Animações Infanto-Juvenis (Dir. Diversos / BRA, produções de 2000 a 2007 / 50 min / Animação / Livre) são de produções tratando de divertidos temas: um boneco com cabeça de lâmpada, um menino que pode voar, uma velhinha em uma turbinada cadeira de rodas, um casal circense de proporções completamente opostas, um vampiro, entre outros inesperados personagens e criativas situações que cruzam comédia, drama e ação.

ANIMAÇÕES PARA ADULTOS (16 ANOS)

O programa Animações para Adultos é fruto do interesse do público adulto pela animação (Dir. Diversos / BRA, produções de 2001 a 2005 / 53 min / Animação / 16 anos). A seleção é composta por títulos premiados no circuito de festivais e com expressiva exibição pela internet.

BAHIA DE TODOS OS SANTOS ( Trigueirinho Neto)- 12 anos – NOVO!

A trama gira em torno de um grupo de amigos inconformados com o marasmo e a vida monótona da capital baiana, na época da ditadura de Getúlio Vargas. Tonho, um mulato rejeitado pelos pais que vive de pequenos furtos no Porto de Salvador, vive conflitos sociais, políticos e religiosos. Sua amante inglesa quer afastá-lo dos companheiros mas ele se envolve num atrito entre grevistas e a policia , terminando por roubar a amante para ajudar os perseguidos. Insatisfeita, ela o denuncia, comprometendo-o politicamente. Ele é preso e , quando volta para a família, seu drama permanece.

BAILE PERFUMADO + O HOMEM DA MATA (16 ANOS)

Em Baile perfumado (Dir. Lírio Ferreira e Paulo Caldas / BRA, 1998 / 93 min / Suspense / 14 anos), revivemos a saga do libanês Benjamin Abrahão, mascate responsável pelas únicas imagens de Virgulino Ferreira, o Lampião, quando este vivia em plena campanha no sertão nordestino.No curta O homem da Mata (Dir. Antonio Luiz Carrilho / BRA, 2004 / 18 min. / Suspense / 16 anos) o artista popular Zé Borba da Silva, ator, canavieiro, cantor, interpreta Jack, o vingador justiceiro, super-herói defensor dos canavieiros da Zona da Mata.

BANG BANG E BLÁ BLÁ BLÁ (12 ANOS) – NOVO!

Em Bang-Bang, O ator de um filme em realização vive sem distinção a sua realidade pessoal e a ficção de seu personagem. Busca um sentido e uma saída daquela situação enquanto é perseguido por bandidos, um mágico, uma fantasia amorosa, um bêbado, sua auto-imagem. Em Blá Blá Blá, Um ditador num momento de uma grave crise nacional, institucional, confrontado na cidade e no campo por revoltas e guerrilha, na busca de uma paz ilusória, faz um longo pronunciamento pela televisão. Mas a realidade impõese à sua ficção e o controle da situação escapa-lhe das mãos. Sobra-lhe uma patética confissão antes de ser tirado do ar.

BEBEL, GAROTA PROPAGANDA (14 ANOS) – NOVO!

Saída de bairro pobre de São Paulo, uma garota procura a fama na publicidade e na televisão por meio de ligações amorosas com um jornalista, um ricaço, um produtor de TV e um publicitário. Ao ser contratada como modelo de anúncio de sabonete, imagina que sua vida vai mudar para melhor.

BETE BALANÇO (14 ANOS) – NOVO!

Bete é uma garota de Governador Valadares, recém aprovada no vestibular e cantora eventual do bar da cidade. Liberada na relação sexual com o namorado, curte teatro e sonha com um espaço maior para o seu prazer, na batalha do trabalho e da vida. A música atrai Bete para o Rio de Janeiro, pouco antes de completar 18 anos. Tudo o que experimenta, então, é uma inevitável sucessão de coisas boas e más.

BICHO DE 7 CABEÇAS + O PROFETA DAS CORES (14 ANOS)

O longa-metragem Bicho de sete cabeças (Dir. Laís Bodanzky / BRA, 2000 / 88 min / Ficção / 14 anos) é inspirado em fatos reais vividos por Austregésilo Carrano Bueno e contados em seu livro “Canto dos malditos”. O documentário O profeta das cores (Dir. Leopoldo Nunes / BRA, 1995 / 28 min / Doc. / 14 anos) – que integrou a pesquisa de Laís Bodanzky para a realização de “Bicho de sete cabeças” – conta a história de Antonio Nascimento Silva, que passou 20 anos entre orfanato, juizado, casas de detenção, manicômios, até encontrar a pintura.

BOLA NA TELA (14 anos)

Futebol, a paixão nacional, sempre foi tema de constante interesse do público e dos cineastas brasileiros. Aqui apresentamos quatro ficções que abordam o assunto com leveza e humor, destacando Os Fiéis (diversos prêmios no Festival Brasileiro de Cinema Universitário 2003) e o clássico Perigo Negro, dirigido por Rogério Sganzerla. É cinema na rede e bola na tela!

CAFUNÉ + MINA DE FÉ (16 ANOS)

Cafuné (Dir. Bruno Vianna / BRA, 2006 / 73 min / Ficção / 16 anos) conta a história do amor entre dois jovens de classes sociais diferentes. Em Mina de Fé (Dir. Luciana Bezerra / BRA, 2003 / 15 min / Ficção / 16 anos), a jovem Silvana se apaixona pelo chefe do tráfico.

CIDADE OCULTA (16 ANOS)

Cidade Oculta (Dir. Chico Botelho / BRA, 1986 / 75 min / Suspense / 16 anos) é uma aventura urbana que conta a história de Anjo, um marginal que vive com Shirley Sombra, misto de estrela de shows e bandida, que acabam na mira de policiais corruptos.

CINE ESCOLA (LIVRE)

Cine Escola (Dir. Vários / aprox.109 min / Ficção/ Livre) é uma mostra de vídeos realizados por alunos, em escolas e faculdades privadas e públicas de Salvador, resgata episódios da história do Brasil e da Bahia, além de retratar o cotidiano e os problemas sociais dos jovens na periferia. É a linguagem audiovisual empregada como ferramenta educacional e pedagógica.

O CINEASTA DA SELVA + SANGUE SUOR: A SAGA DE MANAUS (LIVRE) – NOVO!

O cineasta da selva traz à tona uma figura fundamental do cinema silencioso, o luso-brasileiro Silvino Santos (1886-1970), que realizou os primeiros filmes na Amazônia e cujas imagens são de inestimável valor antropológico, etnográfico e historiográfico. Entre a ficção e o documentário, o filme contém trechos de filmes preservados como No país das amazonas (1922), No rastro do Eldorado (1925) ou Terra portuguesa ? O Minho (1934). Para conhecer mais a região de Silvino Santos, o documentário Sangue e suor ? A saga de Manaus faz uma interpretação sociológica e antropológica da capital do Amazonas.

CINEMA, ASPIRINAS E URUBUS – NOVO!

1942. No meio do sertão nordestino, dois homens se encontram: Johann, um alemão que fugiu da Guerra, e Ranulpho, um brasileiro que quer escapar da seca que assola a região. Viajando de povoado em povoado, eles exibem filmes para pessoas que já haviam conhecido o cinema, para vender um remédio “milagroso”. Continuando a cruzar as estradas empoeiradas de um sertão arcaico, eles buscam novos horizontes em suas vidas. Nesta jornada, os dois aprendem a respeitar as diferenças e surge entre eles uma amizade incomum, mas que marcará suas vidas para sempre.

CIRCO NA TELA (LIVRE)

Três filmes sobre o universo mágico do circo. No longa O Circo (Dir. Charles Chaplin / EUA, 1928 / 71 min./ Ficção / Livre), um homem é confundido com um ladrão e acaba sendo perseguido pela polícia dentro de um circo, fazendo um espetáculo à parte. Nos curtas Noite de Marionetes e Piruetas (ambos Dir. Haroldo Borges / BRA, 2006 / 14 min. / Ficção / Livre) o circo é pano de fundo para os encontros e desencontros entre um palhaço e uma prostituta, no primeiro, um velho, um menino e uma trapezista, no segundo.

CLÁSSICOS E MODERNOS (LIVRE)

Cinco curtas que já são clássicos do cinema nacional, com 85 minutos de duração total. Com uma abordagem moderna e extremamente atual, cada filme revela um universo particular dentre as muitas realidades que compõem o Brasil. Compõem o programa os filmes A velha a fiar (Dir. Humberto Mauro, 1964), Ilha das Flores (Dir. Jorge Furtado, 1989), Brasília: contradições de uma cidade nova (Dir. Joaquim Pedro de Andrade, 1967), Aruanda (Dir. Linduarte Noronha, 1960) e Ô Xente, pois não  (Dir. Joaquim Assis, 1973).

COMÉDIAS CONTEMPORÂNEAS (12 ANOS)

Vai um açaí? Um duelo de açaí com jabá entre um paraense e um turista não acaba muito bem. E um homem encontra a morte, em pessoa, num bar, após brigar com a mulher. Alguém acredita que um BMW vermelho pode trazer mais problemas que sorte? Comédias para todos os gostos.

CRONICAMENTE INVIÁVEL + DIVINA PREVIDÊNCIA (18 ANOS)

O filme Cronicamente inviável (Dir. Sérgio Bianchi / BRA, 2000 / 102 min /  Ficção / 18 anos) aponta contradições presentes no cotidiano dos brasileiros, tratando essas questões delicadas com ironia e perplexidade. No curta Divina previdência (Dir. Sérgio Bianchi / BRA, 1983 / 9 min / Ficção / 10 anos) um mendigo ferido se vê às voltas com o sistema público de saúde e a previdência social. Um programa que ajuda a entender, através de histórias comuns, muito dos problemas do Brasil.

CURTA CRIANÇA (LIVRE)

Dir. vários / 65min / BRA, 2004 a 2006. Uma viagem pelas muitas paisagens do Brasil, das praias do litoral cearense ao interior do país e também à Floresta Amazônica, este programa reúne curtas-metragens infantis num mix de animação, efeitos especiais e ação filmada com atores. Personagens fascinantes como Jesus Cristo, o Curupira, Saci Pererê, o menino São João e a menina Tampinha ganham destaque junto às histórias originais de Dona Carmela, sobre o respeito aos mais velhos, e Uma Jangada Chamada Bruna, um filme sobre o brincar.

CURTAS INFANTIS 1 (LIVRE)

Dir. Vários / aprox. 64 min. / Animação / Livre. O Programa reúne sete animações, feitas em diversas técnicas, para a criançada. Entre as histórias, um menino testemunha o surgimento do samba, uma galinha apronta peripécias para não ser vendida, a paixão de um anão pela mulher gigante e muitas outras.

CURTAS INFANTIS 2 (LIVRE)

Dir. Vários / aprox.66 min./ Ficção / Livre. Quatro ficções protagonizadas por crianças e adolescentes: Caçadores de Saci (Dir. Sofia Federico) – Um caçador de sacis é chamado pra resolver confusões numa chácara. Maré Capoeira (Dir. Paola Leblanc) – A história de um menino que sonha ser mestre de capoeira como seu pai. D. Cristina Perdeu a Memória (Dir. Ana Luiza Azevedo) – Discute o esquecimento de uma idosa através de sua relação com um menino de oito anos. Paisagem de Meninos (Dir. Fernando Severo) – Mostra os dilemas de um grupo de garotos que querem assistir a um seriado no cinema, nos anos 30.

CURTAS UNIVERSITARIOS (16 ANOS)

Dir. vários / aprox. 74 min. / Ficção e animação / 16 anos. A produção audiovisual dos cursos universitários de cinema tem peso significativo no cenário do curta-metragem nacional, e reconhecimento internacional por sua excelência. Nesta seleção encontramos trabalhos dos cursos de maior produção e tradição. Filmes do programa: O Lençol Branco (Dir. Juliana Rojas e Marco Dutra (roteiro) / BRA, 2003), Produto Descartável (Dir. Flavia Rea e Rafael Primo /BRA, 2003), Um Sol Alaranjado (Eduardo Valente / BRA, 2001), Velha História (Dir. Claudia Jouvin / BRA 2004) e Veludo & Cacos-de-vidro (Dir. Marco Martins / BRA, 2004).

DIFERENÇAS (14 ANOS)

Dir. vários / aprox. 100 min. / Ficção e documentário / 14 anos. Neste programa, o mundo através da perspectiva de deficientes visuais (Reminiscência – Dir. Eduardo Nunes / BRA 2001) e auditivos (O resto é silêncio – Dir. Paulo Halm / BRA, 2003), de anões (Criaturas que nasciam em segredo – Dir. Chico Teixeira / BRA, 1995), daqueles que a sociedade considera como loucos (Príncipe do fogo – Dir. Silvio Da-Rin / BRA, 1984) ou tão-somente daqueles que partilham hábitos ou crenças bastante particulares (Labirinto – Dir. Margarita Hernández e Tibico Brasil / BRA, 2002 e Patuá – Dir. Snir Wein / BRA, 2002).

DOCUMENTÁRIOS MUSICAIS (14 ANOS) – NOVO!

É fato que a música brasileira é adorada nos quatro cantos do mundo, por sua qualidade sonora e diversidade de gêneros. Neste programa apresentamos registros de alguns gêneros bastante díspares, evitando qualquer pretensão totalizadora. Vamos do enfoque etnográfico da música interiorana à influência estrangeira do punk e sua adoção como modus vivendi, para finalizar na saudável mistura eclética e contemporânea do manguebeat pernambucano.

DURVAL DISCOS + A ORIGEM DOS BEBÊS SEGUNDO KIKI CAVALCANTI (12 ANOS)

Mistura de comédia e suspense, animada com muita música, Durval Discos (Dir. Anna Muylaert / BRA, 2002 / 96 min. / Ficção / 12 anos) conta as reviravoltas na rotina de um solteirão e sua mãe dominadora, com a inesperada visita de uma menina. O curta A origem dos bebês segundo Kiki Cavalcanti (Dir. Anna Muylaert / BRA, 1996 / 17 min. / Ficção / Livre) é uma divertida comédia sobre as confusões das crianças a respeito da vida sexual dos adultos.

EDIFÍCIO MASTER  ( Eduardo Coutinho) – Livre – NOVO!

Um Edifício em Copacabana –RJ, moradores, gente aparentemente muito comum.Mas a câmera de Eduardo Coutinho vai encontrar ali toda a matéria de que se fazem os melodramas:solidão,fantasias , vaidade, dramas familiares. Em mais essa obra-prima de um mestre do documentário, testemunhamos a precisão na escolha dos personagens e o rigor na opção pela palavra.

E FEZ-SE A MÚSICA (10 anos) – NOVO!

Três filmes sobre criatividade musical em Minas Gerais, em Pernambuco e na Bahia que reúnem o erudito e o popular, em demonstração da riqueza cultural da miscigenação brasileira. Em “Uakti – Oficina Instrumental” ruídos captados na natureza somam-se a instrumentos inusitados para a produção de sons pelo grupo mineiro Uakti. Rafael Conde, em seu primeiro filme, capta a sutileza da invenção e as filigranas artesanais de Marco Antonio Guimarães e sua equipe. “Fuloresta do Samba” proclama na Holanda e na França que “o maracatu da gente é o nosso rock-and-roll”. A câmera de Marcelo Pinheiro acompanha em detalhes pitorescos as andanças do grupo pela Europa, mas a montagem recupera as raízes do samba de rua, no agreste pernambucano. “Diário de Naná” (SP) acompanha a viagem do percussionista Nana Vasconcelos pelo Recôncavo Baiano “em busca da música do sagrado e do sagrado da música”. O filme é sucessão de recortes de imagens, sons da natureza, percussão, encontros com mães de santo, prazer e alegria à flor da pele.

HOUVE UMA VEZ DOIS VERÕES + O DIÁRIO ABERTO DE R. (12 ANOS)

Em Houve uma Vez dois Verões (Dir. Jorge Furtado / BRA, 2002 / 75 min / Ficção / 12 anos), Chico está de férias e se apaixona por Roza num fliperama. Ao voltar para a escola, reencontra seu amor de verão e descobre que ela está grávida. O Diário Secreto de R. (Dir. Caetano Gotardo / BRA, 2005 / 14 min / Ficção / 10 anos) conta a história de um garoto que sofre de amor platônico por seu colega de classe.

JANELA DA ALMA + CEGO OLIVEIRA NO SERTÃO DO SEU OLHAR (LIVRE)

A partir da idéia de que olhos são a Janela da Alma (Dir. João Jardim e Walter Carvalho / BRA, 2001/ 73 min. / Documentário / livre) o filme nos mostra a maneira como cegos e deficientes visuais “vêem” o mundo. Traz depoimentos, colhidos mundo afora, de personalidades como o cineasta Wim Wenders, o fotógrafo Eugen Bavcar, a atriz Marieta Severo e um vereador cego. Perfeito complemento é o curta Cego Oliveira no sertão do seu olhar (Dir. Lucila Meirelles / BRA, 1998 / 17 min. / Documentário / livre), tocador de rabeca no sertão do Ceará, dono de um modo muito particular de perceber o mundo.

MACUNAÍMA (12 ANOS) – NOVO!

Macunaíma é a história de um anti-herói, ou “um herói sem nenhum caráter”, nascido no fundo da mata virgem. De preto vira branco e troca a mata pela cidade, onde vive incríveis aventuras, acompanhado de seus irmãos. Na cidade, segue um caminho zombeteiro, conhecendo e amando a guerrilheira Ci e enfrentando o vilão milionário, Venceslau Pietro Pietra, para reconquistar o amuleto que herdara de Ci, o muiraquitã.

MADAME SATÃ ( KARIM AINOUZ) – 16 ANOS – NOVO!

Em Madame Satã, o cinesta Karim Ainouz equilibra crueza e plenitude de estilo visual com visão “neomacunaímesca” no retrato de um personagem real. João Francisco dos Santos (Lázaro Ramos), artista transformista e criminoso conhecido como Madame Satã, foi uma figura singular da marginália carioca nos anos 1930.

MARVADA CARNE + ALMOÇO EXECUTIVO (LIVRE)

Com desenvoltura rara para um estreante, o cineasta André Klotzel faz em A marvada carne uma homenagem ao universo da cultura caipira, vista aqui num embate com a cultura da cidade. Adaptação de uma peça teatral de Alfredo Soffredini, o filme também recorre à mitologia brasileira ao colocar em cena figuras como o Saci e o Curupira. Com nove Kikitos no Festival de Gramado, em 1984, é uma das comédias mais divertidas do moderno cinema brasileiro. Comportamentos urbanos também estão em pauta em Almoço executivo, curta assinado pela dupla Marina Person e Jorge Espírito-Santo, que partem de um fato corriqueiro para realizar uma comédia de humor imprevisível.

MEDO E SUSPENSE (16 ANOS)

Dir. vários / aprox. 77 min. / Ficção / 16 anos. Um programa nada recomendado pra quem se assunta com facilidade, ou perde o sono com imagens perturbadoras. Filmes do programa: A Menina do Algodão (Dir. Daniel Bandeira e Kleber Mendonça Filho / BRA, 2002), Behemoth (Dir. Carlos G. Gananian / BRA, 2002), Demônios (Dir. Christian Saghaard / BRA, 2004), Nocturnu (Dir. Dennison Ramalho / BRA, 1998), Tropel (Dir. Eduardo Nunes / BRA, 2000) e Wragda (Dir. Frederico Cardoso / BRA, 2004).

O CAVALINHO AZUL + PORTINHOLAS (LIVRE)

Em O Cavalinho Azul (Dir. Eduardo Escorel / BRA, 1984 / 94 min. / Ficção / Livre), o menino Vicente acredita que seu velho pangaré marrom é um lindo cavalo azul. Seus pais vendem o animal e o garoto tem a arriscada missão de recuperar seu cavalinho. O curta Portinholas (Dir. Vários – 150 alunos de escolas municipais de Vitória-ES / BRA, 2003 / 7 min. / Animação / Livre) conta a história de uma adolescente que descobre no livro “Portinholas” e nos quadros de Portinari o encantamento da vida e do mundo da arte.

O CHAMADO DE DEUS (LIVRE) – NOVO!

Vencedor dos prêmios de Melhor Documentário e Melhor Montagem no Festival de Brasília, O chamado de Deus conta a estória de seis jovens que se decidiram pela vida religiosa. Três deles seminaristas da Igreja Católica, os demais atuando mais próximos à Teologia da Libertação, pregando que é preciso se inserir na realidade dos fiéis para ajudar a concretizar seus anseios e ideais.

O HOMEM NU (14 ANOS)

Sílvio Proença conhece Marinalva numa reunião de reencontro de amigos e, seduzido pelos encantos da moça, passa a noite ali mesmo. Depois de acordar, completamente nu, vai apanhar um pão do lado de fora do apartamento. Acaba trancado e nu…na rua. Dir. Hugo Carvana / BRA, 1997 / 75 min. / Ficção / 14 anos.

O HOMEM QUE VIROU SUCO (16 ANOS) + A SAGA DA ASA BRANCA (LIVRE)

Histórias populares do Nordeste que eventualmente se transformam em literatura de cordel e em canções. A animação pernambucana A saga da Asa Branca (Dir. Lula Gonzaga / BRA, 1979 / 07 min. /Animação / Livre) ilustra, em estilo de cordel, a célebre toada Asa Branca, de Humberto Teixeira e Luiz Gonzaga, gravada pelo rei do baião pela primeira vez em 1947. Também em estilo de cordel, O homem que virou suco (Dir. João Batista de Andrade / BRA, 1979 / 97 min. / Ficção / 16 anos) conta a história de um assassino e um cantador são confundidos.

O PRISIONEIRO DA GRADE DE FERRO (16 ANOS)

Dir. Paulo Sacramento / BRA, 2004 / 123. min. / Documentário / 16 anos. Filme produzido a partir de uma oficina realizada com os presidiários e funcionários da Casa de Detenção de São Paulo, o Carandiru, à época o maior presídio da América Latina. Feito a partir da reunião de fragmentos captados pelos próprios presidiários, o filme escapa da mera denúncia e do didatismo para favorecer a experiência e o ponto de vista dos que vivem no cárcere.

OS MATADORES (16 ANOS) + SINISTRO (16 ANOS)

Em um bar na divisa Brasil-Paraguai, um homem está para ser eliminado. Enquanto esperam o defunto encomendado, os Matadores (Dir. Beto Brant / BRA, 1997 / 90 min. / Ficção / 16 anos), Toninho e Alfredão, revelam uma história em que é difícil encontrar culpados e inocentes. Presente e passado se misturam em torno da morte de Múcio, o pistoleiro mais competente da região. Em Sinistro (Dir. René Sampaio / BRA, 2001 / 19 min. / Ficção / 16 anos), um homem entra num táxi e vai ao encontro de um cliente. Porém, um terrível acidente muda o rumo da história e cria uma teia de coincidências entre todos os personagens.

OS XERETAS + A LASANHA ASSASSINA (10 ANOS)

O filme Os Xeretas (Dir. Michael Ruman / BRA, 2001 / 90 min. / Ficção / Livre) é uma adaptação para as nossas terras do cinema de aventuras infanto-juvenil, solucionando com bastante humor e muita criatividade as dificuldades inerentes a realizar tal filme dentro da realidade de produção do cinema nacional. Como complemento, temos a animação de Ale Machado, A Lasanha Assassina (Dir. Alê Machado / BRA, 2002 / 08 min. / Animação / 10 anos), que carrega ainda mais nas tintas do humor ao brincar com os códigos do cinema de horror.

O RAP DO PEQUENO PRÍNCIPE CONTRA AS ALMAS SEBOSAS (14 anos) – NOVO!

Dois personagens reais, Helinho e Garnizé, formam o eixo do documentário. Helinho, justiceiro, 21 anos, conhecido na comunidade como O Pequeno Príncipe, é acusado de matar 65 bandidos no município de Camaragibe (PE) e em bairros de subúrbio. Garnizé, músico, 26 anos, componente da banda de rap Faces do Subúrbio, militante político e líder comunitário em Camaragibe, usa a cultura para enfrentar a difícil sobrevivência na área. Dois jovens de uma mesma periferia, duas vidas cruzadas pelo mesmo tema: a violência urbana.

PLANO SEQUÊNCIA (16 ANOS)

A arte de se contar uma estória numa única tomada. Diversos realizadores se colocam esse desafio, de transmitir conteúdo relevante dentro de uma forma bastante restritiva e limitadora. Filmes do programa: A História da Eternidade (Dir. Camilo Cavalcante / BRA, 2003), A última fábrica (Dir. Felipe Nepomuceno / BRA, 2005), Disparos (Dir. Tarcísio Lara Puiati / BRA, 2000), Ocaso (Dir. Camilo Cavalcante / BRA, 1997), Os Dois Velhinhos (Dir. Camilo Cavalcante / BRA, 1996), Outros (Dir. Gustavo Spolidoro / BRA, 2000) e Velinhas (Dir. Gustavo Spolidoro / BRA, 1998).

POR TRÁS DO PANO + O SANDUÍCHE (12 ANOS)

Em O Sanduíche (Dir. Jorge Furtado / BRA, 2000 / 13 min / Ficção / 10 anos), um casal que está se separando descobre que o fim de uma coisa pode ser o começo de outra. Por Trás do Pano (Dir. Luiz Villaça / BRA, 1999 / 90 min / Ficção / 12 anos) conta as histórias de Helena, Marcos, Sérgio e Laís. Entre brigas, cenas de ciúmes e revelações, eles descobrem, enfim, o papel de suas vidas.

SAMBA RIACHÃO + O CATEDRÁTICO DO SAMBA (LIVRE)

O documentário musicado Samba Riachão (Dir. Jorge Alfredo / BRA, 2001 / 86 min./ Documentário / Livre) traz as histórias deste importante cantor e compositor baiano, através da sua própria fala e dos depoimentos de artistas como Dorival Caymmi e Gilberto Gil. Em O Catedrático do Samba (Dir. Alessandro Gamo e Noel Carvalho / BRA, 1999 / 23 min. / Documentário / Livre), as histórias saborosas do sambista paulistano Germano Mathias são contadas pelo próprio artista, que percorre a cidade contando suas memórias.

SARGENTO GETÚLIO + NOVEMBRADA (14 ANOS) – NOVO!

Em sua estréia no longa-metragem, o diretor Hermano Penna toma como base o premiado romance Sargento Getúlio, de João Ubaldo Ribeiro. Consagrado nos festivais de Gramado e Locarno, na Suíça, o filme é ambientado na década de 1940 e promove uma reflexão sobre o poder político e as relações entre o opressor e o oprimido. Destaque para a elogiada interpretação de Lima Duarte, ator presente também no curta Novembrada, que reconstitui uma manifestação popular contra a presença do presidente militar João Figueiredo, ocorrida em novembro de 1979 em Florianópolis.

SEDUÇÃO E SEXUALIDADE (16 ANOS) – NOVO!

De uma ambigüidade de intenções à poesia visual, a sexualidade no cinema pode ser expressa não apenas por imagens mas por cortes, metáforas visuais e bonecos de massinha. Neste programa são exploradas diferentes facetas da relação humana em sua eterna insatisfação sexual. As relações narradas ocorrem por conta de um olhar, um contato nada frio com uma lavadora de roupas ou um tórrido contato carnal nos bancos de carros estacionados nas ruas. As visões dos realizadores dos curtas-metragens aqui reunidos passam pela ironia e pela crueldade, mas sempre ligadas ao conceito de cinema como ferramenta de um necessário voyeurismo que nos ajuda a compreender nossa relação com corpos próximos e distantes. Sete buracos de fechadura diferentes onde o protagonista sempre é a pele dos personagens e as conseqüências ferventes do contato de umas com as outras.

TERRA ESTRANGEIRA (16 ANOS)

Dir. Walter Salles / BRA, 1995 / 100 min. / Ficção / 16 anos. Brasil, 1990. O Plano Collor é anunciado. Sem perspectiva em um país tomado pelo caos, Paco, um jovem de 20 anos de idade, opta pelo exílio após a morte da mãe. Parte para Portugal, aceitando uma encomenda suspeita para a viagem. Em Lisboa, Alex, uma brasileira de 25 anos, acaba de deixar o namorado, envolvido na mesma teia de contrabando. Os destinos desses dois jovens vão se aproximar, inexoravelmente, numa fuga desesperada…

TUDO BEM (16 ANOS) – NOVO!

Concentrado num apartamento de Copacabana em reformas, e abordando o conflito de classes com humor corrosivo e surrealista, Tudo bem sintetiza as mazelas do país e assimila com brilho e inspiração influências do cineasta Luis Buñuel e do escritor Nelson Rodrigues.

VIOLÊNCIA URBANA (VÁRIOS )- 16 ANOS – NOVO!

A violência cotidiana, uma das maiores mazelas da sociedade brasileira, não podia ficar fora da mira dos nossos cineastas. E essa seleção de seis curtas-metragens sobre o tema mostra que ela está presente tanto nos grandes centros – caso dos cariocas Rota de colisão (Roberval Duarte) e Bala Perdida ( Victor Lopes) e dos paulistas O trabalho dos homens ( Fernando Bonassi) e Balaio (  Luiz Montes) – como em outras regiões do País , exemplificadas por João Pessoa (O cão sedento de Bruno de sales e Cuibá ( Baseado em fatos reais. De Bruno Bini).

%d blogueiros gostam disto: